Embora os acordos com o Ministério Público tenham caído, o empresário Carlos Mattos aceitou as acusações em audiência no dia 21 de abril. Ele reconheceu que deu 100 milhões de pesos ao juiz civil municipal 16 de Bogotá para beneficiá-lo no processo pela representação da marca Hyundai na Colômbia.

Ele fez o reconhecimento perante o 11º tribunal criminal do Circuito de Bogotá no meio do segundo caso contra ele. No primeiro, ele também havia aceitado acusações por ter oferecido subornos a funcionários judiciais para direcionar a tutela aos juízes, que por sua vez foram subornados, que lhe dariam decisões a seu favor.

Nesse caso, o suborno teria sido entregue à juíza Ligia del Carmen Hernández, que foi condenada em 2019 a dois anos e um mês de prisão, suspensa de cargos públicos por mais de cinco anos pelo crime de suborno indevido.

Ela teria concedido medidas cautelares em favor de Mattos, o que lhe permitiu manter a representação da marca Hyundai na Colômbia, quando a montadora queria encerrar o acordo. Mattos teria dado a ele presentes e a quantia em dinheiro para receber um julgamento a favor.

A juíza, que aceitou as acusações em setembro de 2019, disse que recebeu apenas 30 milhões, o restante do dinheiro teria sido dado a ela quando ela não estivesse mais no comando do processo, porque ela havia sido transferida. Finalmente, ele recebeu uma redução de penalidade de 50%.

O mesmo pode acontecer agora com Carlos Mattos. Embora os pré-acordos tenham caído, a aceitação das acusações serviu para que o promotor e a defesa pedissem ao juiz que considerasse a definição da condenação pelo crime de suborno que estabelece entre 63 e 78 meses.

O Ministério Público solicitou que a sentença fosse avaliada a partir dos 63 meses de idade, conforme noticiado pelo jornal El Tiempo, enquanto o representante do Poder Judiciário, vítima do julgamento, Francisco Bernate, sustentou que este é o mínimo da pena, mas outros elementos devem ser levados em consideração conta.

Embora Mattos tenha demonstrado vontade de cooperar, devido aos pré-acordos fracassados, ele já pagou uma indenização de mais de 3,7 bilhões ao Poder e aceitou as acusações; deve-se levar em conta a malícia e a imparidade da justiça pelos subornos entregues.

Será o juiz quem deve considerar a pena que vai impor e os benefícios por aceitar acusações e a indenização milionária às vítimas. No outro caso pelo suborno do juiz civil Rinaldo Huertas, a quem Mattos deu 700 milhões de pesos, a condenação será anunciada nesta sexta-feira, 22 de abril.

Nesta quinta-feira também se soube que o 30º Juiz do Conhecimento, que vai condenar Mattos, pediu ao Ministério Público que investigasse ele e todos os envolvidos nos acordos fracassados com o órgão de investigação por crimes que o jornalista Gonzalo Guillén denunciou.

Segundo a Rádio Caracol, o jornalista enviou um direito de petição no qual afirmava que uma conversa com Mattos e o advogado de defesa Iván Cancino revelaria crimes envolvendo até o juiz.

A denúncia de Guillén também envolve os promotores Daniel Hernandez e Álvaro Betancur junto com o advogado Alejandro Sánchez. Será o Ministério Público que resolverá se houve alguma irregularidade nos pré-acordos que haviam avançado, mas que acabaram sendo retirados pela acusação.

O problema gira em torno de uma reunião entre Guillén e Cancino, na qual o advogado lhe disse que Mattos iria testemunhar falsamente contra ele.

CONTINUE LENDO:





Fuente