O primeiro sequestro foi o de Santiago Nattino, em 28 de março de 1985 pelos Carabineros, que embarcaram em Nattino, atiraram nele e o forçaram a entrar em um carro.

No dia seguinte, o professor Manuel Guerrero e o sociólogo José Manuel Parada estavam nos arredores da Escola Latino-Americana, localizada na comuna de Providencia, na capital, onde três pessoas os agarraram e os colocaram em um veículo para sequestrá-los. Um colega de Guerrero testemunhou o evento e quando quis intervir levou um tiro no estômago. O carro desapareceu em uma direção desconhecida, depois que outro assunto desviou o tráfego.

Os três detidos ilegalmente foram levados para uma delegacia da Diretoria de Comunicações de Carabineros (Dicomcar), onde foram torturados. Na manhã de 30 de março de 1985, as vítimas foram levadas para a comuna de Renca, localizada a 18 quilômetros de onde foram detidas, onde os profissionais foram abatidos e seus corpos foram abandonados no local, perto do Aeroporto Internacional de Santiago, em Pudahuel.

Os responsáveis pelo assassinato eram membros da Dicomcar, onde 16 pessoas foram condenadas pelo assassinato. Entre eles, cinco foram condenados à prisão perpétua: Guillermo González Betancourt, José Fuentes Castro, Alejandro Sáez Mardones, Claudio Salazar Fuentes e Miguel Estay Reyno. No entanto, todos foram libertados, exceto o último, que estava cumprindo sua pena e em 2021 morreu em decorrência da covid-19.

O evento foi chamado de “Caso Degollados”.

Comemoração no memorial “As Três Cadeiras”

ESTOJO CUTTHROAT
O memorial das três cadeiras na comuna de Renca

A ex-presidente Michelle Bachelet inaugurou em 2006 um memorial às vítimas do Caso Degollados, localizado no local onde os corpos de Santiago Nattino, José Manuel Parada e Manuel Guerrero foram encontrados por camponeses com características óbvias de tortura e raiva.

O memorial está localizado na comuna de Renca, em frente ao Aeroporto Internacional Arturo Merino Benitez e consiste em três cadeiras que aludem aos profissionais assassinados.

Todos os anos, uma comemoração é realizada no local onde os parentes das vítimas participam, membros do Partido Comunista, do Colégio de Professores do Chile e, em certas ocasiões, autoridades políticas ou governamentais participam do evento. Este ano não foi exceção, onde a Ministra do Trabalho e Previdência Social Jeannette Jara participou da conferência.

O Secretário de Estado falou na cerimônia e disse que “isso foi uma violação dos direitos humanos, um crime inesquecível na história do Chile e de profunda violência. E hoje, 37 anos depois, a tremenda dor que o país experimentou naquela época continua a ser resgatada e continua como uma ferida aberta como muitas questões de direitos humanos, onde a recuperação da memória, verdade, justiça e reparação ainda são questões muito presentes em nossa sociedade”.

Ele acrescentou que “viemos acompanhar a faculdade de professores e trabalhadores da educação. Guerrero, Nattino e Parada pertenciam a esse setor do país, dos trabalhadores”. “Acho muito importante deixar claro que ninguém ou nada é esquecido no Chile. Devemos continuar cultivando a cultura dos direitos humanos no país”, enfatizou o ministro.

Aqueles que também falaram com suas vozes na comemoração foram os parentes das vítimas. Manuel Guerrero, filho do professor assassinado, disse que “este é um dia particularmente bruto na vida de muitos de nós, de várias famílias. É o dia em que meu pai foi sequestrado nos portões da minha escola.”

Os filhos do sociólogo José Manuel Parada também estiveram presentes na memória de seu familiar em 30 de março. “Este dia que, inexoravelmente, me empurra para a ferida do passado, faz sentido ao nível da memória histórica, se a projetarmos, se a ressignificarmos, por exemplo, para entender que, para um Nunca Mais eficaz é necessário virar tudo, lutar por um mundo sem opressão ou violência” Camilo Parada escreveu em sua conta no twitter.

O mesmo aconteceu com Juan José Parada, onde ele carregou uma foto de seu pai assassinado e disse: “Sinto falta dele, mas este ano ele se sente diferente. Estamos avançando cheios de esperança.”

A presidente da Associação de Parentes de Executores Políticos Alicia Lira, disse que “vamos com esperança, alegria e carinho novamente para honrar e reivindicar o legado de Manuel, José Manuel e Santiago na resistência sob o nome do Governo de Salvador Allende. Eles resistiram à ditadura em todas as suas formas, que ainda hoje está viva”, projetou em conversa com a Rádio Cooperativa.

Paulina Cartagena, chefe do Colégio de Professores e responsável pelo Departamento de Direitos Humanos, esclareceu que “nós, professores, sempre promovemos o diálogo e a participação, por isso não podemos ficar indiferentes à ação repressiva das Forças Especiais de Carabineros, tanto na Ditadura quanto desde a voltar para a democracia”.

Outra atividade em nome das vítimas do Caso Degollados foi realizada durante a tarde no cruzamento de Los Leones e El Vergel, ruas onde Manuel Guerrero e José Manuel Parada foram sequestrados direitos humanos dos indivíduos.

CONTINUE LENDO





Fuente